שבת, 16 במאי | online event

A Fronteira - Primeira mostra de videoarte Espaço Apis

Registration is Closed
A Fronteira - Primeira mostra de videoarte Espaço Apis

זמן ומיקום

16 במאי 2020, 17:00 – 20:00
online event

פרטי האירוע

Depois de ter nossa mostra adiada devido à pandemia decidimos não deixar de nos unir e assistir aos vídeos apresentados na Fronteira.

A mostra acontece virtualmente através do nosso canal no Youtube Inscreva-se e ative o "sininho" (https://www.youtube.com/channel/UCJir0IEw8x5zb85X9GHTdTw/)

Próximo sábado e domingo, a partir das 17h.

Depois da mostra teremos conversa com os artistas junto aos curadores Manoela Bowles, Patrícia Francisco e Ique Larica Gazzola no sábado. No domingo a conversa com os artistas terá a participação do convidado especial, o artista, escritor, professor, Ricardo Basbaum, a partir das 19h.

Estamos realizando uma campanha de solidarização com o projeto MaisAmor MenosCapital em parceria com Despina centro de arte independente, ambos vizinhos ao Apis.

Sugerimos a doação de 8 R$ para a campanha como ingresso simbólico. https://www.vakinha.com.br/vaquinha/quarentena-solidaria-nos-ajude-a-ajudar

Artistas nacionais e internacionais apresentam seus vídeos seguindo a temática:

Sábado - Paisagem / Abstrato

Domingo - Corpo / Performance

Alex Hamburguer Anna Corina Cristiana Miranda Crystal Duarte Dora Abreu Elaine Pauvolid Evandro Machado Gabriel Fampa Iasmin e Magnolia Ique Gazzola Isabela Mota Jaime Enrique Prada Jessica Moritz and Diana Shuemann João Rocha Letícia Gonçalves Luccas Morais Luiz Badia Luridiana Filmes Manoela Bowles Marcela Cavallini Maria Baderna Marta Perez MarQo e Camille Math Marins Matheus Murucci Micael Bergamaschi Michel Chetter Nicole Kouts Patricia Francisco Patricia Gouveia Paulo Aranha Raphael Couto Sema Tais Almeida Thales Ferreira Thomas Vallianatos Yaminaah Abayomi Zex Xiz

A FRONTEIRA – UM CONCEITO

Espaço Apis Rio de Janeiro

Uma Fronteira demarca um limite. São pontos ou questões entre espaços, entre pessoas, entre gêneros, entre etnias, no meio ambiente ou na passagem do tempo. Limitar, demarcar, atravessar, movimentar, ultrapassar, são ações libertadoras ou restritas que aludem à nossa percepção do espaço-tempo. A Fronteira é plural em seus territórios contíguos e nos afetivos, por isso há o momento de negociação entre as partes. Numa vida em movimento, pulsa a iminência de atravessarmos a fronteira, quando nos encontramos no limiar de uma transformação.

PARTE DE UMA HISTÓRIA

No Brasil a videoarte apresenta-se como terreno fértil a partir dos anos 70, Antonio Dias é o primeiro brasileiro a apresentar publicamente um trabalho na Itália. A videoarte aproximava-se do que preconizou o cinema experimental, com a quebra da narrativa clássica cinematográfica e incluiu outros suportes de artes plásticas dentro do video. Para o cineasta Jairo Ferreira era o Cinema de Invenção, para Oiticica o quasicinema. Aqui em terra brasilis aconteceu em 2008 a principal mostra de videoarte “Visionários Áudio Visual na América Latina”. Nos anos 80 e 90 a video arte contava com uma nova geração de artistas e forte produção. Desse período para o momento atual sofremos profundas transformações tecnológicas como o advento da inteligência artificial e o desenvolvimento do deep fake que abriu um universo de possibilidades para as imagens. Este comportamento natural do homotelevisivo é retroalimentado pelas formas e técnicas usadas pelos artistas para expressarem suas subjetividades, concretizadas em obras de arte. Jean-Luc Godard, Andy Warhol e Hélio Oiticica usaram o video para apresentar novas formas para a linguagem da imagem em movimento. Ao mostrar uma forma mais despojada de filmar, ou fazendo o dia a dia no vídeo, o tempo real, no qual podemos assistir deitados em redes, demonstram o comportamento, questões e pensamento de uma época.

PROVOCAÇÕES

Artistas são como antenas, captam o zeitgeist, o espírito de seu tempo. E hoje? Como somos representados em nossas técnicas e linguagens?

Em “A Fronteira” buscamos entender o que é a videoarte do nosso tempo e local. Como a videoarte acolhe essa reconfiguração social e política?

Quais as atuais proposições no campo da videoarte e cinema experimental que dialogam com as questões contemporâneas da nossa sociedade?

Como as técnicas que usamos hoje conseguem captar o nosso tempo?

O que os artistas precisam dizer?

A videoarte talvez possa nos dar uma orientação do "glitch" que estamos vivendo no sistema.

Acreditamos que a Arte precisa militar por sua liberdade, usando sua potência para transpassar fronteiras ou mesmo expandi-las.

Arte como existência, evolução e levante.

Será que veremos a virada? Será assistindo um vídeo?

CURADORIA: Manoela Bowles, Ique Larica Gazzola e Patricia Francisco

O Espaço Apis é um espaço independente que não conta com nenhum tipo de incentivo.

Registration is Closed

שיתוף